Publicado em 28.09.2018 - Parceria Escola-Família - Sem comentários

Soa o alerta do celular: você foi adicionado ao grupo de pais do Colégio do seu filho. Situação cada vez mais corriqueira, o uso do aplicativo WhatsApp por famílias de crianças da mesma classe ou série escolar traz benefícios inegáveis para os envolvidos. Neste artigo, queremos dividir algumas reflexões sobre a ferramenta, que pode ser de grande utilidade no cotidiano – mas que exige, como qualquer outro recurso que possa interferir na vida escolar de nossos alunos, responsabilidade e bom senso da parte de todos.

Como instituição que preza a participação da família no processo educacional (já escrevemos sobre a importância da parceria escola e família), o Dom Bosco reconhece e aprecia as facilidades que o WhatsApp traz para mães e pais hoje em dia.

Em primeiro lugar, há a troca de informações importantes, compartilhadas de forma ágil e coletiva entre os maiores interessados. Seu filho ficou gripado e você gostaria de comunicar aos outros pais? O WhatsApp está aí para isso. O brinquedo de algum coleguinha apareceu na mochila de seu filho? O WhatsApp ajuda a identificar o dono.

Não é só. O WhatsApp ajuda a promover arranjos operacionais entre as famílias, como caronas solidárias, troca de materiais escolares, convites de aniversário ou “programas” compartilhados. Serve de espaço para troca de sugestões culturais e de lazer, como exposições, filmes, peças de teatro, passeios, leituras relevantes. Permite a criação de grupos de interesse específico para além da sala de aula, como clubes de xadrez, de debate, de olimpíadas acadêmicas etc.

E em todos esses pontos, além dos benefícios práticos que o WhatsApp proporciona, há também um interessante movimento de aproximação que fortalece o sentimento de comunidade, de identificação das famílias em torno de um mesmo objetivo: o bem-estar e o desenvolvimento de seus filhos. Do ponto de vista de uma instituição de ensino, tal sentimento não poderia ser mais apropriado e saudável.

Mas é justamente para não comprometer esse objetivo em comum que é necessário ressaltar: um canal de comunicação entre famílias não pode, nem deve substituir os canais oficiais de comunicação entre escola e famílias.

No que diz respeito a assuntos acadêmicos, à maneira como a escola conduz suas atividades, a conflitos ou a qualquer tipo de evento ocorrido dentro do ambiente escolar, o melhor e mais qualificado interlocutor da família só pode ser a própria escola. Do contrário, corre-se o risco de serem criados ruídos na comunicação, o que pode prejudicar o bem-estar dos alunos e o bom relacionamento entre a escola e as famílias.

Seu filho (ou o filho de algum dos pais do grupo de WhatsApp) queixou-se sobre colegas ou professores? Antes de tirar conclusões precipitadas, não é melhor ouvir o que a escola tem a dizer? Você (ou algum pai do grupo) não concorda com o posicionamento pedagógico da escola? Antes de disseminar julgamentos, não é razoável supor que a instituição seja qualificada para a tarefa de educar e tenha, no mínimo, argumentos para defender suas posições em uma conversa tranquila, aberta, face a face? O risco de conclusões e julgamentos precipitados repercutirem num grupo de WhatsApp antes de se buscar o diálogo com a escola é o de que, quando finalmente houver o diálogo, ele já não possa ocorrer com a serenidade e a responsabilidade necessárias.

E se trazer assuntos de teor acadêmico ou relativos ao ambiente escolar para o grupo de WhatsApp gera ruídos, o mesmo pode acontecer no sentido inverso, com conflitos e desentendimentos entre pais no WhatsApp, acabando por prejudicar a vida escolar dos filhos. Em qualquer caso, fraturas na relação de confiança entre famílias e escola e situações desconfortáveis para os alunos podem ser causadas se uma ferramenta positiva (o WhatsApp) for utilizada inadequadamente.

No Grupo Dom Bosco, fazemos questão de manter abertos diversos canais de diálogo com os pais porque acreditamos que esse diálogo seja necessário e construtivo – desde que conduzido por meios qualificados. Por isso, não criticaremos o uso do WhatsApp por parte das famílias, mas recomendaremos, sim, que ele seja usado com bom senso e sempre voltado para o objetivo que todos temos em comum: o bem-estar dos alunos.

Pais que enxergam o Colégio e seus colaboradores como aliados e Colégio que enxerga os pais como potencializadores do rendimento escolar possuem maiores possibilidades de conversar abertamente sobre os problemas dos alunos. Fica mais simples identificar deficiências e reprogramar o processo de maneira personalizada e eficaz. Vale destacar que o contexto de comunicação ativa, frequente, sensata e sincera é muito importante quando se trata de educação. Pense nisso!
A união de forças transforma a escola em um espaço vivo. A parceria entre família e escola traz impactos positivos não só para a vida e formação do aluno, como também vivifica a escola.

Contem com a nossa equipe para qualquer esclarecimento ou apoio.

Acreditamos que “juntos fazemos melhor, por uma educação de excelência